Nossos Economistas
Nossos Economistas - Corecon/SC

Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2004,  mestre em Economia pela mesma universidade em 2006, atual professora efetiva do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag) da Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc) na cadeira de Finanças Públicas e chefe do Departamento de Administração Pública, a conselheira do Corecon-SC Ivoneti da Silva Ramos é a primeira convidada entrevistada para o espaço Nossos Economistas, destinado a valorizar quem faz a Economia de Santa Catarina.

Atuando principalmente nos temas de finanças públicas, gestão fiscal, indicadores socioeconômicos, economia do setor público e desenvolvimento regional, a conselheira Ivoneti Ramos também já foi diretora administrativa-financeira da Secretaria de Saúde de Florianópolis.

Confira a entrevista e, se quiser enviar sugestões de nomes de economistas registrados para serem entrevistados neste espaço, envie um e-mail para marilene.rodrigues@hotmail.com

 

Como está o mercado de trabalho para a mulher formada em Economia/Ciências Econômicas? Como o passar dos anos, como está se comportando o mercado de trabalho em relação às mulheres economistas?

Ivoneti da Silva Ramos: O mercado para a mulher de um modo geral cresceu desde a década de 1980 em diversas áreas. A mulher economista tem possibilidades de atuação no setor público, no setor privado e no terceiro setor. Em algumas áreas são vagas específicas do profissional da Economia, garantidas na legislação. Mas existem vagas em que as mulheres concorrem com profissionais de outras formações e, neste caso, uma diferenciação positiva pode ser o valor agregado após a formação, como MBAs, mestrado e doutorado. Em Santa Catarina, na área da economia, ainda temos um mercado bastante masculino. Um dado que ajuda na reflexão é que o número de mulheres economistas registradas no Corecon/SC é aproximadamente 18% do total de profissionais registrados.

 

Ainda há discriminação, ressalvas ou desconfianças?

Ivoneti Ramos: Vencer preconceitos é um desafio para toda a sociedade. O que percebo como mulher economista é que cresce o respeito no mercado de trabalho, tanto em função do movimento de empoderamento das mulheres na atualidade, quanto pela demonstração de competência das mulheres economistas.

Nossos Economistas - Corecon/SC

Quais as maiores dificuldades para a mulher no mercado da economia?

Ivoneti Ramos: Compatibilizar a delicadeza feminina com o semblante forte que precisamos ter, principalmente em ambientes preponderantemente machistas.

 

A constante presença de mulheres como analistas de Economia nos meios de comunicação têm colaborado para a presença de mais mulheres no segmento?

Ivoneti Ramos: Com certeza a evidência das mulheres economistas na mídia auxilia no processo de valorização e destaque da profissão. Mas é importante frisar que há economistas fortes atuando silenciosamente em todas as áreas. Para buscar espaço que permita destacar a atuação de todas, o Corecon/SC planeja um movimento com vistas à valorização da mulher economista em SC.

 

De forma geral, como está o mercado de trabalho para os economistas? E quais são as expectativas para o futuro?

Ivoneti Ramos: O mercado de trabalho está em constante transformação e movimento. Oportunidades foram reduzidas ao longo do tempo no setor público pelo próprio movimento de redução do número de concursos públicos. A expectativa é do crescimento das oportunidades de atuação do economista no terceiro setor (ONGs, OSCIPs etc) e no setor privado, fruto do processo de valorização do profissional.

 

Atualmente, como estão as oportunidades de atuação no setor público, no setor privado e no meio acadêmico?

Ivoneti Ramos: As oportunidades são diversas em todos os setores citados. Mas o que está em evidência na atualidade é o economista que analisa os cenários micro e macroeconômicos em função do baixo desempenho do Produto Interno Bruto (PIB). Mas, cada vez mais, os economistas são demandados para explicar situações relacionadas a modelo previdenciário, finanças públicas, comportamento do mercado financeiro entre outros.

 

Qual a mensagem que a senhora deixaria para os estudantes da área e para aqueles que ainda pretende buscar essa profissão?

Ivoneti Ramos: Valorizem-se desde a graduação. Dediquem-se à compreensão dos fundamentos da economia que embasará a aplicação da análise econômica. Essa será a pedra fundamental para a conquista do seu espaço no mercado de trabalho.